sexta-feira, 2 de março de 2018

Vereador brejense denuncia crime ambiental em Brejo cometido pela prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe


“Aproximadamente 100 famílias estão sendo prejudicadas”

Na última reunião da Câmara de Vereadores do Brejo da Madre de Deus, realizada na terça-feira (27), o vereador Júnior de Miguelão (PCdoB) apresentou dois projetos que tratam do meio ambiente. Ainda irão passar pela primeira votação os projetos "Junho Verde", em razão do Dia Mundial do Meio Ambiente (05 de junho) e o projeto “Plante uma Árvore”, destinado ao plantio de árvores nativas ou exóticas no município.

Além desses dois importantes projetos, o vereador Junior de Miguelão mostrou grande preocupação e denunciou um grave crime ambiental que está acontecendo no município. 
De acordo com a denúncia, o matadouro de Santa Cruz do Capibaribe está descartando os restos dos animais no sítio Arapuá, que fica próximo a Barrinha e ao assentamento Baraúnas em Brejo da Madre de Deus.
Porcos, cachorros e urubus se alimentam dos restos dos animais
"Não podemos cruzar os braços diante deste caso"

“Na recente reunião do CONDESB foram apresentadas fotos que mostram o crime ambiental que vem acontecendo no sitio Arapuá em Brejo. São restos dos animais que são abatidos no Matadouro Público de Santa Cruz do Capibaribe que estão sendo jogados dentro do município do Brejo. Aproximadamente 100 famílias brejenses estão sendo prejudicadas naquela região. Isso é muito grave e não podemos cruzar os braços diante deste caso”, disse o vereador em seu discurso.

Como podemos ver nas imagens, as carcaças juntamente com sangue estão servindo de alimento para porcos e também urubus. Um agricultor que reside próximo ao local informou que vários cachorros estão indo também se alimentar dos restos dos animais e, com isso, eles ficam mais carnívoros e ferozes e estão atacando os animais das propriedades.

“Os cachorros que estão comendo estes restos de animais ficam mais agressivos e estão matando as galinhas e bodes em nossas propriedades. Meu vizinho criava 30 galinhas e em apenas uma noite 6 delas foram mortas. Estamos prejudicados e sofrendo com este crime ambiental cometido pela prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe”, relatou o agricultor.
Agricultores e criadores vizinhos ao local clamam por providências

Ainda de acordo com os moradores, o problema é antigo e acontece o descarte de quinta a segunda, sendo que no passado as autoridades foram alertadas, mas até o momento, nenhuma providência foi tomada.

"Aqui só não é descartado esses restos de animais na quarta-feira, mas em outros dias acontece e o caminhão as vezes da duas viagens por dia. No passado já houve denúncia, causou grande repercussão, mas as autoridades continuam ignorando o problema que já deveria ter sido solucionado", contou.

Do Estação Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário