terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Quiel chega em Brejo e está nos braços da família. Ao Estação Notícias disse que foi assaltado em Parauapebas e ficou trabalhando no parque de diversão

Quiel já em Brejo com seus pais e sua sobrinha

Após ter ficado desaparecido por mais de 15 dias, sendo necessária a mobilização de equipe de busca em várias cidades do estado do Pará, o brejense Ezequiel da Silva Andrade, o Quiel, retornou para Pernambuco e chegou à casa dos seus pais seu Macaxeira e dona Toinha na noite da segunda-feira (08). A sobrinha de Quiel, Wanderlania Andrade e a sua tia Lúcia Andrade foram buscá-lo em Curionópolis e o trouxeram para o Brejo da Madre de Deus.

O retorno de Quiel era bastante aguardado por toda família, principalmente pelos pais que só sossegaram o coração quando ele entrou pela porta com sorriso largo no rosto.

“Meu Deus, agora minha felicidade está completa com meu filho aqui em casa. Depois de toda angustia com o sumiço dele, ainda estávamos preocupados com a viagem e os perigos que tem até chegar aqui. Mas com a graça do Senhor Deus terminou tudo bem. Glória seja ao Senhor por tudo!”, comentou dona Toinha ao Blog Estação Notícias.

O clima na família é de muita felicidade e agradecimento, por isso, um culto de ação de graças será marcado para comemorar esta grande bênção.
Wanderlania, Lúcia, Lau e Quiel em Curionópolis no domingo (07) a tarde

Quiel afirma ter sido assaltado em Parauapebas

A nossa reportagem, Quiel contou que após ter resolvido o problema do seu pagamento e ter recebido o dinheiro, foi assaltado na cidade de Parauapebas e ficou todo este tempo fazendo bico no parque de diversão.

“Quando eu sai de Curionópolis fui para Parauapebas para pegar o carro, e quando eu tinha saído da pousada dois caras me abordaram e levaram todo meu dinheiro. O que mais me impressionou foi que um apontou um revolver para mim e o outro veio diretamente no bolso da frente em que estava o dinheiro. Acredito que eles viram quando eu tinha ido numa lojinha comprar uma bolsa e uma rede e viram quando eu coloquei o dinheiro no bolso. Ai fiquei sem dinheiro e sem nenhuma condição de voltar para o alojamento. Foi quando surgiu a oportunidade de ficar fazendo bico no parque que estava na cidade, e arrumei o dinheiro nestes dias para pagar uma pousada e me alimentar”, afirmou Quiel.
Ele ainda disse que todos os dias ficava sentado durante horas aguardando algum carro da Tabocas, empresa que trabalhava.

“Eu trabalhava no parque das 18h até a meia noite, e durante boa parte do dia eu ficava sentado num canto observando os carros passar, porque se passasse um da Tabocas, eu daria um grito. Mas durante todos estes dias não passou ninguém, parece que eles estavam em outro setor. Foi quando Rincon me viu sentado, foi até lá e me disse que todo mundo estava me procurando e que me levaria para a casa dele”, explicou.

Do Estação Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário