segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Bruno Araújo pede demissão do Ministério das Cidades

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), encaminhou nesta segunda-feira (13) ao presidente Michel Temer uma carta pedindo demissão do Governo Federal (leia ao final deste post a íntegra da carta). O pedido de exoneração se deu em meio ao racha político no PSDB, que está dividido entre uma ala que defende a permanência no Governo Federal e outra que quer desembarcar da gestão peemedebista.

A assessoria do Palácio do Planalto afirmou ao G1 que, até a última atualização desta reportagem, ainda não havia obtido informações sobre o pedido de exoneração do ministro das Cidades.

A cizânia tucana se intensificou durante a tramitação, na Câmara dos Deputados, da segunda denúncia do Ministério Público contra Temer. Na semana passada, com a destituição do senador Tasso Jereissati (CE) do comando interino do PSDB, a briga entre as correntes tucanas ganhou ares de crise.

Na carta de demissão, o titular das Cidades agradeceu ao presidente da República a oportunidade de comandar a pasta responsável, entre outras coisas, pelo programa Minha Casa, Minha Vida e justificou a saída do governo ao fato de, segundo ele, já não haver dentro do PSDB "apoio no tamanho que permita seguir nesta tarefa".

"Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida pública, e já não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa", escreveu o ministro na carta em que pede para deixar o primeiro escalão.

Na tarde desta segunda, Bruno Araújo chegou a participar de uma cerimônia, no Palácio do Planalto, ao lado do presidente Michel Temer e de outros ministros. No evento, foram entregues os primeiros cartões reforma do programa do Ministério da Cidades que prevê o repasse de dinheiro a beneficiários do Minha Casa, Minha Vida para eles reformarem as moradias.

O movimento de Bruno Araújo abre caminho para a reforma ministerial. A ideia do presidente da República era tirar dois ministros do PSDB, entre os quais Bruno de Araújo.

A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Vallois, também pode deixar o primeiro escalão.


Leia abaixo a íntegra da carta de demissão de Bruno Araújo:
Do Estação Notícias / G1 

Nenhum comentário:

Postar um comentário