sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Justiça determina reembolso para apostadores do Pernambuco dá Sorte

A Justiça Federal determinou que o título de capitalização Pernambuco dá Sorte reembolse os consumidores prejudicados com o cancelamento do sorteio que seria realizado em 16 de novembro do ano passado. O concurso foi cancelado depois que a empresa começou a ser investigada pela Polícia Federal por denúncias de fraude e lavagem de dinheiro.

Além dos pernambucanos, devem ser ressarcidos os prejudicados nos estados de Alagoas, Piauí, Amazonas e Pará.Todos os que compraram o talão do concurso devem receber o dinheiro investido de volta a partir de 26 de fevereiro.

Em Pernambuco, o dinheiro deve ser ressarcido até 6 de março na sede da empresa, localizada no número 2.636 da Avenida Caxangá, no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Apenas em Alagoas, o prazo para recebimento do dinheiro é diferente, começa em 24 de fevereiro e vai até 7 de março.

Para ter o dinheiro de volta, os consumidores lesados só precisam levar documento oficial com foto e o exemplar do bilhete adquirido devidamente selado.
O sorteio de 16 de novembro foi cancelado depois que a Justiça Federal determinou a interrupção das atividades da empresa Pernambuco dá Sorte, um dos alvos da Operação Trevo, da Polícia Federal. A interrupção das atividades foi anunciada depois de iniciadas as vendas dos selos do sorteio dominical.

Em nota enviada ao G1, o Grupo Promobem Pernambuco informou que "vai realizar o reembolso dos consumidores que adquiriram o título de capitalização Pernambuco Dá Sorte, sorteio da edição 262, que aconteceria no dia 16 de novembro de 2014. A decisão liberatória da justiça ocorreu após pedido do próprio grupo mediante requerimentos solicitando o desbloqueio de contas bancárias para pagamento do reembolso, além de verbas de natureza trabalhista e impostos.
O ressarcimento será realizado seguindo os parâmetros fixados pela Justiça Federal e ocorrerá entre os dias 23 de fevereiro e 06 de março na central de atendimento do grupo, localizado na Avenida Caxangá, n. 2636, no bairro do Cordeiro, dentro do horário comercial. Os consumidores devem comparecer ao local portando documento com foto e o certificado do título de capitalização, edição 262, devidamente selado. A mesma medida foi tomada em todos os estados onde o grupo operava".

Lembre o caso
A Operação Trevo investigou três organizações criminosas acusadas de agir em 13 estados em um esquema de fraudes e lavagem de dinheiro por meio de jogos do bicho, exploração de máquinas caça-níqueis e comercialização irregular de títulos de capitalização.

De acordo com a Polícia Federal, só na primeira fase operação em Pernambuco, foram cumpridos 15 mandados de prisão preventiva, dos quais um suspeito foi solto por determinação da Justiça;  quatro mandados de prisão temporária, e todos foram soltos por decisão judicial; 29 mandados de busca e apreensão; apreensão de R$ 2 milhões, US$ 360 mil, sequestro de valores financeiros em conta bancárias na ordem de R$ 130 milhões, e sequestro de 19 veículos de luxo e dos imóveis em nome dos investigados.

A Polícia Federal explicou que os valores arrecadados em loterias estaduais eram repassados a entidades filantrópicas de fachada, de modo que o dinheiro ilícito voltasse ao grupo. Estima-se que as ações criminosas tenham movimentado mais de R$ 1 bilhão em todo o País. Além de Pernambuco, há investigações em andamento no Rio Grande do Sul, Alagoas, Amazonas, Goiás, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Pará, Piauí e Minas Gerais.

Do Estação Notícias Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário